CARREGANDO

Digite para buscar

Veja como motoristas de aplicativo devem declarar Imposto de Renda

Diante do atual cenário de desemprego, a quantidade de trabalhadores informais saltou no último trimestre de 2018. Segundo dados do IBGE, houve aumento de 528 mil pessoas trabalhando por conta própria e cerca de 498 mil empregadas no setor privado sem carteira de trabalho. 

Com isso, muitas pessoas buscaram nos aplicativos de transporte de pessoas, como Uber, Cabify e 99, uma forma de gerar renda. Mas e na hora de declarar, como esses profissionais fazem? A seguir, explicaremos cada etapa e como fazê-la.

motoristas de aplicativos

Recolhimento mensal dos impostos

Motoristas de apps são considerados profissionais autônomos, já que recebem rendimentos de pessoas físicas intermediados pela empresa na qual prestam serviços. Sendo assim, esses profissionais devem realizar o recolhimento mensal do Imposto de Renda através do Carnê-Leão

Para isso, o motorista precisa somar, mensalmente, o valor de todas as corridas. Em seguida, inserir essas informações na aba “Livro Caixa – Escrituração” do programa, já subtraindo os 40% isentos, que será feito o cálculo do IR devido, gerando um DARF que deverá ser paga até o último dia útil do mês.

Vale lembrar ainda que, se a soma das corridas do mês não ultrapassar R$1903,98, estará dentro do limite de isenção, ou seja, não será necessário recolher o IR. Além disso, as empresas de aplicativos são obrigadas a fornecer ao motorista o documento com detalhamento das corridas, visando facilitar o lançamento dessas informações no sistema.

Quem não recolher o tributo devido receberá multa de 50% do valor devido e 0,33% por dia de atraso, além de juros equivalentes à variação da taxa Selic no período, acrescida de 1% no mês do pagamento. 

Preenchendo a Declaração de Ajuste Anual de Pessoa Física

Há duas etapas de preenchimento da DIRPF, a parte tributável e a isenta. Desse modo, os rendimentos tributáveis deverão ser informados na aba “Rend. Trib. Recebidos de PF/Exterior”, atentando-se aos campos para descrição. Já os 40% isentos devem ser declarados na aba “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, através do código “24- Rendimento bruto, até o máximo de 40%, da prestação de serviços decorrente do transporte de passageiros.”

Uma outra opção de preenchimento da declaração, é selecionando a opção “Importar Dados do Carnê-Leão”, disponível na aba de Rendimentos Tributáveis. Fazendo isso, os valores automaticamente serão lançados no espaço correspondente. No entanto, o rendimento isento deverá ser feito manualmente. Essa alternativa só é possível caso os programas IRPF e Carnê-Leão estejam baixados no mesmo dispositivo/computador.

Lembre-se que todos os rendimentos tributáveis recebidos ao longo do ano devem ser declarados.

Deduções

Ao somar toda a renda tributável informada, o programa irá deduzir as despesas permitidas por lei, como pensão alimentícia e gastos médicos, para então aplicar a tabela progressiva anual do IR. Além disso, o IR já recolhido pelo Carnê-Leão será abatido desta conta. 

Ainda referente às deduções, o contribuinte deve ter em mente que não é permitido deduzir valores descritos em livro-caixa, já que 40% dos rendimentos são considerados isentos a fim de compensar os custos que o motorista possui, por exemplo, com combustível e manutenção do veículo. 


Em nosso canal no Youtube, o contador Vicente Sevilha dá dicas sobre diversos assuntos relacionados ao Imposto de Renda. Neste vídeo, ele fala sobre os impostos e deduções para motoristas de aplicativos, não perca!