CARREGANDO

Digite para buscar

Como calcular o IRRF sobre salário

É comum que trabalhadores tenham dúvidas sobre como calcular o IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte) sobre o salário. Por isso, preparamos um guia que vai facilitar a compreensão das porcentagens que aparecem na folha de pagamento dos funcionários em regime CLT.

Antes de tudo, vale ressaltar que o IRRF nada mais é que uma parcela do rendimento mensal que é repassada ao governo. O valor deste tributo é calculado com base na faixa de renda mensal e as porcentagens estabelecidas na tabela do IRPF, determinada pela Receita Federal. Veja a seguir a tabela:

Como mostrado, quanto maior o salário, maior o imposto. Dessa forma, para calcular o IRRF, é necessário somar ao salário bruto, aquele que está na carteira, todos os vencimentos, como horas extras, adicional noturno e descanso semanal remunerado.

Feito isso, o primeiro desconto será a contribuição previdenciária, com alíquotas que variam de 8% a 11%. Isso porque a base de cálculo para o IRRF é o salário bruto menos o desconto da previdência. Além disso, o trabalhador que possui dependentes legais ou paga pensão alimentícia tem direito à dedução.

Por exemplo, após calcular a contribuição previdência, é descontado do salário R$189,59 por cada dependente. Para facilitar vamos aplicar um exemplo que demonstra na prática como calcular o IRRF.

Calculando o IRRF sobre o salário

Suponhamos que o salário bruto de Mariana é R$3 mil e não há acréscimos de horas extras e afins. Nesse caso, incide 12% de INSS, ou seja, R$360. Assim, a base de cálculo do IRRF seria R$2.640.

No entanto, como dito anteriormente, após definir o desconto do INSS, é preciso verificar se o funcionário possui dependentes legais. Então, imagine que Mariana é responsável por uma criança, e será descontado R$189,59, antes de aplicar a porcentagem.

Portanto, o salário base para aplicação da alíquota será R$2.450,41. Agora, é só aplicar a porcentagem que corresponde à faixa salarial. Neste caso, a alíquota é de 7,5%. Além disso, cada percentual tem um valor de dedução definida, que neste contexto é R$142,80. Com isso:

R$2.450,41 x 7,5% = R$183,78
R$183,78 – R$142,80 (parcela a deduzir) = R$40,98 de IRRF.

Ou seja, Mariana terá R$40,98 de Imposto de Renda Retido na Fonte.

Vale destacar que rendas de até R$1.903,98 são isentas de tributação. Além disso, profissionais autônomos e as demais categorias que não têm imposto retido na fonte, devem emitir o DARF de Carnê-Leão para se manter em dia com o fisco.

É de suma importância recolher os impostos mensalmente, pois a omissão de rendimentos pode vir à tona no momento da declaração anual de IR. A obrigação de enviar anualmente o documento à Receita, se trata de um “ajuste de contas”, já que é a partir da declaração que o órgão avalia se os valores pagos estão corretos.

Ah, como dissemos inicialmente, lembre-se sempre de incluir horas extras, adicional de insalubridade e outros valores no valor total para base de cálculo.

Preenchendo a declaração

Quando chegar o momento de preencher e entregar a declaração de IRPF, a empresa deve fornecer ao colaborador o informe de rendimentos. Nele, haverá o valor total de imposto retido durante o ano-calendário, assim como os rendimentos.

Com este documento em mãos, basta acessar a aba “Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurídica”. Em seguida, é só acrescentar o nome e CNPJ da empresa, o valor total dos rendimentos recebidos no ano, contribuição previdenciária e o IRRF.  Se houve 13° salário, a quantia recebida o imposto pago sobre este valor também deverão ser inseridos nessa aba.

O funcionário que recebeu menos de R$28.559,70 ano ano não precisa entregar a declaração do Imposto de Renda. No entanto, se em algum momento do ano-calendário houve imposto retido na fonte, por algum motivo específico, é possível restituí-lo entregando a declaração.

Não é tão difícil calcular o IRRF, né? Se houver mais alguma dúvida, conta para a gente.

VEJA MAIS: Quem pode ser declarado como dependente no IR.